≡  

Posts sobre: Conselhos amorosos

Olá meus pupilos, a história de hoje da série compartilhe sua história foi enviada pela nossa leitora K.A.

“Olá Lady, meu nome é K.A e tenho 18 anos, hoje eu queria compartilhar uma história que aconteceu recentemente comigo.

Eu sempre adorei aqueles aplicativos de relacionamento para celular e às vezes até entrava em salas de bate-papo da minha cidade, em um desses aplicativos de relacionamento eu conheci o L.O., universitário e alguns anos mais velho que eu, curtimos o perfil um do outro e rolou aquele famoso Match, começamos a conversar e ele era um fofo, eu nem queria me apegar a ninguém e achei que não ia gostar dele de outra forma que não fosse como amigo. Mas foi ai que eu me enganei, depois de alguns dias de muitas conversas, já conhecíamos bastante um do outro, ele acabou falando que eu mexia bastante com ele, na hora eu fiquei meio sem reação, mas percebi que isso também acontecia comigo. Nos falamos por cerca de um mês até nosso primeiro encontro, o que não foi nada do que eu esperava, ele realmente parecia outra pessoa. Não demonstrou nenhum tipo de afeto e nosso papo não fluía tão bem, ele nem ao menos me abraçou ou me deu um beijo, e eu sai me perguntando o que havia de errado entre nós, até ele sumir no dia seguinte.

Nos falávamos todos os dias, ele sempre mandava bom dia e perguntava se eu estava bem, mas naquela manhã ele simplesmente sumiu, esperei um dia inteiro e no fim da tarde mandei uma mensagem para saber se ele estava bem e ele me contou que a ex namorada estava grávida, nesse momento parecia que o teto tinha desabado na minha cabeça, até que mentalmente comecei a juntar as peças daquela história. De duas coisas eu tinha certeza, a primeira: Ele havia mentido sobre o tempo que estava solteiro, justamente um cara que diz odiar mentiras. Segundo: ele era um safado que estava me usando para esquecer a ex. Cortamos contato e não nos falamos mais, depois de ler o seu artigo dos 7 passos para esquecer uma paixão não correspondida, posso dizer que estou realmente bem agora e esquecendo ele. Afinal ele estava nas minhas redes sociais e não na minha vida.”

Bem meu amores, espero que tenham curtido o relato da K.A e compartilhem conosco a sua história.

*ladyscandalous@atiraniainvencivel.com.br

Beijocas  <3

 

Compartilhe

21
jun
2016

Em meio a muitas noites de insônia eu me perguntava se você ia voltar, fazia preces silenciosas a Deus e as forças do universo para que chegasse esse dia, digitava inúmeras mensagens e sempre apagava no final ou as guardava só para mim, na época eu jurava que era por orgulho e mesmo que uma vozinha na minha cabeça ecoasse dizendo para correr atrás de ti, eu escolhi ficar ali parada, remoendo aqueles momentos que vivemos juntos.

Cansei de te ver online naquelas horas que costumava dormir quando namorávamos, cansei de ver sua troca de status que mudavam sempre que achava uma nova garota para se satisfazer, para enaltecer o teu ego. Cansei de ser a ex amiguinha que ouvia suas histórias com as outras ficantes ou que falava com aquela garota que ficou entre nós quando namorávamos.

Eu não sabia que ia voltar a me procurar, mas tinha certeza que jamais seria a primeira a procurá-lo. Orgulho? Não, isso nunca foi uma característica minha, é só que não valia a pena mesmo. Não valia mais a pena guardar os restos daquele buquê que me deu em nosso primeiro dia dos namorados e que depois de um ano tomei coragem de jogar fora e junto com ele joguei aquela garota boba que conheceu, que iludiu e virei uma mulher que acredite, meu bem, vale muito essa vale a pena.

E hoje eu agradeço verdadeiramente àquelas mensagens não respondidas, ligações não atendidas e o dia que esqueceu meu aniversário, porque depois de muito tempo eu entendi que você pode realmente me amar daqui para frente, mas não me terá de volta. Seja feliz, assim como estou sendo tá?

Adeus

 

Compartilhe

Olá meus pupilos!

Esses dias eu estava deitada na minha cama e eis que me surge uma ideia, de tanto ouvir meus amigos contarem suas histórias de sucessos e fracassos amorosos eu pensei: Porque não compartilhar essas histórias no blog. Então eu quero abrir oficialmente aqui um quadro “Compartilhe sua história”. Não só histórias de amores que deram certo ou errado, mas de amizades também, afinal estamos tratando de relacionamentos, eu, Lady Scandalous selecionarei uma história por semana para publicar nessa coluna. Enviem suas histórias, cartas, pedidos de conselho, enfim, compartilhem conosco, seja anonimamente ou não. E a vamos a primeira história que vai iniciar nossa série.

Essa era para ser mais um daquelas histórias de amor que tinham tudo para dar errado, que o tempo e as circunstâncias separam os envolvidos, mas ela nos dá uma lição muito importante: Que nos tempos de hoje ainda podemos e devemos acreditar no verdadeiro amor, que quando duas pessoas estão destinadas a ficarem juntas, o destino conspirara sempre a favor. E assim como ela me inspira, espero que inspire vocês também. A R.C (nossa mocinha haha) vai narrar sua essa história com I.B (seu namorado).

“Nosso romance começou quando eu estava terminando o ensino fundamental, em 2011, eu estudava a tarde e ele pela manhã, na hora do intervalo a Isa (uma amiga dela) e eu saiamos para lanchar e acabamos passando por ele e uns amigos que estavam ali para a aula de basquete, a partir daquele momento comecei a reparar nele, passei a vê-lo outras vezes em eventos do colégio, sempre no mesmo horário, eu fazia questão de sentar lá na quadra da escola só para ficar observando ele mais de perto, o ano letivo acabou e no ano seguinte eu mudaria de turno, já que iniciaria o ensino médio, agora estudaríamos no mesmo horário.

Aquela mudança era um pouco estranha, eu estava me adaptando ainda, mas ao mesmo tempo era boa, rever ele todos os dias abalava meu coração haha, ele começou a reparar em mim. Minha amiga e eu íamos lanchar sempre no mesmo lugar, de frente a cantina, onde os amigos dele também ficavam, ele sempre ia lá para ficar me olhando e eu fica meio sem jeito, até que contei a minha amiga que estava gostando daquele garoto que parecia um índio (eu nem sabia o nome dele). E acabei revelando a uma outra amiga também, a Mariana, começamos a chamar ele de indiozinho, já que ninguém sabia quem era ele e eu não tinha coragem de perguntar por ser muito tímida.

Até que a Mariana pediu o número dele para que eu pudesse ligar, chegou então o final do ano letivo e eu estava cheia de trabalhos, provas e ainda fazia um curso em outro horário, só que ele fazia o mesmo curso um horário antes do meu, descia as escadas e ficava me olhando e eu retribuía aquele olhar, de um jeito meu tímido. E no último dia de aula minhas amigas ligaram para ele e marcaram um encontro sem que eu soubesse, na praça ao lado do curso, logo depois da aula, fui, conversamos e acabamos e ficando, foi um momento mágico, não consegui dormir aquela noite e continuamos a nos falar.

Passados alguns dias ele me ligou e ficamos 4 horas ao telefone e ele acabou me pedindo em namoro, eu aceitei, mesmo com medo daquilo não dar certo, do meu pai brigar e de acabar me apegando e sofrer. Mas a inveja e a fofoca de um ex-funcionário da escola, que também era meu vizinho destruiu tudo. Como nosso relacionamento era recente, ainda não havia conversado com meus pais, acabei me afastando dele. Ainda nos falávamos no ano seguinte, mas não éramos tão próximos como antes. Perdemos contato o resto do ano inteiro e no ano seguinte, no dia do meu aniversário ele veio me dar parabéns no privado do Facebook, eu agradeci e nos outros dias que se sucederam continuamos nos falando, marcamos um encontro a tarde, até que em uma manhã, antes disso, minhas amigas o chamaram até onde eu estava e ele me beijou. De lá estamos juntos há 1 ano e 9 meses, usamos anéis de compromisso e tudo mais. E planejamos um futuro juntos.”

E aí? O que acharam da história? Comente aqui e não esqueçam de mandar a de vocês também.

*Email: ladyscandalous@atiraniainvencivel.com.br

 

Beijocas <3

Compartilhe

Olá meus pupilos!

Algumas vezes nos apaixonamos por alguém que não dá muita bola pra gente, corremos atrás, nos esforçamos para chamar atenção e acreditem, nem pendurar uma melancia no pescoço resolve esse problema e é aqui que entram os passos que vou listar para esquecer uma paixonite, eu testei e recomendo haha.

1)Não tentar se curar com uma nova paixão.

Parece bobagem, mas realmente não funciona. Além de intensificar seu sofrimento, pode fazer mal para outro.

2) Não vire um Stalker.

Faça esse favor para você mesmo, fuçar as redes sociais da pessoa não vai ajudar a esquecê-la, pelo contrário. Vai manter ela cada vez mais perto de você.

3) Tenha a consciência de que aquela pessoa que é objeto do seu desejo tem defeitos.

Sim, meus amores, é clichê, mas é pura verdade. A paixão faz com que idealizemos demais o outro e acabamos fechando os olhos para qualquer coisa que não seja “linda”, então denegrir a imagem da pessoa internamente ajuda, por favor, não ponham isso pra fora.

4) Reconheça que aquele sentimento não é correspondido.

Ter a noção de que aquilo só existe dentro de você, é fundamental nesse processo.

5) Perca o contato.

Se essa pessoa não faz parte do seu ciclo de amizade e convivência, evite ao máximo contato com ela. Principalmente se é você que sempre a procura, não vale a pena.

6) Evitar falar sobre ela com amigos e família.

Essa dica é valiosa, nunca esqueceremos aquilo que fazemos questão de lembrar a toda hora, e falar é uma maneira de recordar-se.

7) Não reprima o choro.

Extravase, isso mesmo, ponha para fora aquilo que está ali dentro te corroendo. Como diz a minha mãe: a boca é de couro e não se rasga. Então chore a vontade, se você quer dar uns gritinhos, umas porradas em um saco de areia, fique a vontade. E vão por mim, vai passar, tudo passa.

Enfim, é isso meus lindos. Assim como essas dicas deram super certo comigo, espero que funcionem para vocês, adaptem elas para o caso que estão vivendo e boa sorte.

Ah, sabem que podem contar comigo naquela ajudinha com problemas amorosos, me mandem e-mail:

Ladyscandalous@atiraniainvencivel.com.br

 

Beijocas da Lady <3.

Compartilhe

Olá meus pupilos!

Hoje quero abordar nesse artigo algo que é super comum nos tempos atuais e que eu mesma já vivi. Sabe aquele casal que é nítido que estão apaixonados, não se desgrudam e mesmo assim não se assumem como um casal de namorados? É o típico casal que não rotula relações, as causas disso não acontecer são bem variadas, e vou abordar algumas ao longo desse artigo.

Às vezes o grande vilão desse tipo de relacionamento é o medo, e vocês podem estar pensando: Medo de que? E a resposta para essa pergunta meio que complexa pode ser a mais simples possível, medo de terem uma conversa decisiva e de acabarem pressionando um ao outro, o que acaba por muitas vezes fazendo com esse casal não admita o que sente e vivam no escuro profundo dos relacionamentos, digamos assim.

Podemos abordar aqui uma velha e conhecida relação, a amizade colorida; aqueles amigos que não querem perder essa relação de amizade, mas que sentem vontade de ficar um com o outro. Muitas vezes são amigos há anos, se conhecem muito bem, conversam sobre tudo, menos sobre o fato de ficarem algumas vezes, por medo de deixar um clima chato a ponto de estragar a amizade.

Esse tipo de situação também pode ser vivida entre estranhos, que depois de um tempo não serão mais tão estranhos assim, é o caso daquelas pessoas que se conhecem de vista, não sabem nome um do outro ou sabem apenas o nome e telefone, começam a conversar, rola aquela “crushada” e acabam ficando, ficando, ficando e nunca passam disso. Uma das partes pode até querer algo mais, porém resolve que continuar daquele jeito é melhor que perder “tudo” que têm.

Ao final desse artigo, a mensagem que tenho a deixar para vocês é: O que importa é ser feliz!

Não permita que o medo estrague sua felicidade, não omita seus sentimentos, muito menos os reprima, ás vezes aquela conversa pode acabar solucionando tudo de modo mais simples do que pensava e se no final não deu certo, não se preocupe, sua hora vai chegar!

Beijos da Lady  :*

 

Você tem uma história de relacionamento sem rótulos? Mande-me um e-mail contando sua experiência, suas dúvidas e medos. Ficarei feliz em respondê-los.

Compartilhe

Há alguns meses atrás estava eu na frente de um computador, vendo um filme que minha irmã havia escolhido no netflix, o filme não era tão atual, e quando ouvi aquela voz grossa que sempre anuncia o nome dos filmes e a gente nunca sabe de quem é, falar: “Ele não está tão afim de você”. Senti que naquele momento se iniciaria uma jornada que mudaria meu jeito de ver todos os relacionamentos do mundo,  para sempre.

Não estou aqui para fazer uma resenha sobre o filme, este artigo não se trata disso. Mas sim, de compartilhar com vocês a minha maravilhosa conclusão, esse artigo é dedicado a todas aquelas garotas/mulheres que não se deram bem em seus relacionamentos ou que estão afim de alguém que não corresponde suas expectativas e sentimentos. Minhas queridas, o planeta é dividido entre mulheres que são “a regra” e “a exceção”.

Se você conhece um homem aparentemente legal em um aplicativo de relacionamentos como o tinder, ele é mais velho, bem sucedido, mora sozinho e já teve uma quantidade considerável de ficadas sem compromissos e ele te trata da mesma forma que trata outras pessoas, fuja agora, você é a regra. Ser a regra consiste em ser igual a todas as outras pessoas do mundo que passam pela vida dele, a tradução é: Você não tem importância! Ele não quer nada mais que uma relação casual, não quer estar “preso” a alguém, e vai por mim, não vale a pena procurar justificativas.

Por outro lado, você pode conhecer um homem na sua sala de aula ou no trabalho, vocês marcam de sair, ele te trata bem, te respeita, conhece a sua família e nunca tentar forçar a barra, a conversa está fluindo naturalmente. Aposto quase todas as fichas de que é a exceção, porque aquele cara pode realmente querer algo sério com você e ele vai demonstrar isso. Vai querer que você veja a todo instante o quanto é especial na vida dele.

Não estou afirmando aqui que isso serve para todas as pessoas, até porque são pesquisas feitas pelo instituto cabeça de Geórgia Barreto hahaha, brincadeiras a parte, esse artigo foi escrito de acordo com minha vivencia e de pessoas próximas a mim, acreditem, muitas vezes paro para analisar casais na rua e vendo experiências de terceiros, posso afirmar que a teoria do filme mencionado acima, é pura verdade. E que essas coisas talvez aconteçam com você, ao menos uma vez na vida.

No final não importa a ocasião ou o lugar que você conheceu ou ainda vá conhecer aquele cara, o que realmente importa é como vai ser vista por ele desse momento em diante. É a relação que vão construir. Lembrem-se: “Amar a si mesmo é o começo de um romance para toda a vida”.

Compartilhe

Eu não sabia o que iria encontrar naquele aplicativo até ver aquele homem de sorriso fácil, olhar leve. Não sabia que ia me apegar à alguém com apenas um mês de conversas e mais um de encontros.

Ao contrário do que muitos possam pensar, meu coração não era bobo, não mais. Estava fechado para balanço, em meio a tantas conversas e toques, sentia todo o gelo a minha volta se derreter, e algo dentro de mim dizia: é ele. E eu teimava em não entender. Não queria chegar a conclusão de que depois de muito tempo estava me apaixonando por alguém. O medo de não ser correspondida me apavorava como uma criancinha assustada, talvez sentisse o que estava por vir. Estávamos tão perto e tão longe. Sentia que o destino brincava de cabo de guerra conosco, e hoje vejo que não dá para ganhar do destino. Sil, eu não queria estragar tudo, estávamos com as cartas na mesa e eu via os dados rolando, eu estava com medo de perder esse jogo, talvez você tenha vencido, ou o mundo venceu por nós.  Não posso mais criar esperanças  de que tudo vai dar certo, não posso te fazer feliz como havia prometido, porque coisas estranhas estão sempre a nossa volta. Eu não queria sair do sua vida, mas como posso ficar? Porque fechou o portão que tanto bati? Talvez não houvesse um nós. Havia apenas uma mulher que é como um mar profundo e agitado e um homem com medo de mergulhar nele.

Categorias: Conselhos amorosos Tags:

Compartilhe

Estar em um relacionamento com alguém que realmente gostamos pode ser uma das coisas mais prazerosas da vida humana. Receber elogios, declarações de amor, carinho, tornam essa convivência cada vez mais agradável. E nos impulsiona fortemente na busca daquilo que chamamos de verdadeira felicidade. É isso que esperamos de uma união com alguém, compartilhar alegrias e tristezas. Mas e quando não recebemos aquilo que nos é esperado? E quando percebemos que aquele envolvimento não é mais aquilo que procuramos e queremos?

Ciúme excessivo, humilhações e constrangimentos, tratamento grosseiro e agressões são alguns dos sinais de uma relação abusiva. Ser diminuído por aquela pessoa que você acreditava ser o grande amor da sua vida é realmente doloroso. Ter uma ligação de abuso é ser maltratado todos os dias e esperar que o outro mude como em um passe de mágica, é tapar os olhos para realidade. Ninguém, absolutamente ninguém, vai mudar sem que você se manifeste e demonstre que “certas” atitudes realmente te incomodam.

Cabe a cada um de nós ter a consciência de que merece mais da vida, mais do outro, mais de si mesmo, sempre mais e não menos, que deixar que seu parceiro/parceira ou qualquer outro o diminua, é se auto-depreciar e acabar com aquilo que o ser humano tem de mais precioso, o amor próprio. É crucial valorizar a si mesmo. Afinal, se você não faz isso, como esperar que o outro faça?

Coloque na sua cabeça e principalmente no seu coração, que tudo que você precisa é ser justamente o contrário daquilo que o abusador está disposto a lhe oferecer, que só você pode dar um basta e não permitir que essa relação te puxe para trás quando deveria te empurrar para frente. E ao final desse breve texto, deixo aqui uma frase de reflexão da maravilhosa Clarice Lispector: “ Faça a descoberta de si mesmo, e aos poucos você descobrirá que é mais seguro e compensador valorizar-se!”

 

***

Olá leitor(a), quer me mandar sua história ou dúvida?

ladyscandalous@atiraniainvencivel.com.br

Beijocas e até o próximo post <3

Compartilhe

No início de cada partida é preciso saber os botões corretos para levar o jogo adiante, assim como em qualquer relacionamento é necessário que saibamos ultrapassar cada fase e cada novo estágio que nos fará crescer. O amor é um jogo, perdemos e ganhamos.

Dedicar-se a um relacionamento, compartilhar momentos, histórias e ter boas lembranças é tudo que se pode esperar de qualquer relação amorosa, não somente conjugal. Costumamos esperar muito do outro e acabamos esquecendo que falhas são inevitáveis, as consequências podem ser algumas lágrimas derramadas, brigas ou aquele monstrinho que pode te consumir por dentro, o termino.

Não há um manual que ensine com exatidão como superar essa fase, afinal, se houvesse ninguém sofreria por isso, não é mesmo?

Muitas pessoas têm inúmeras histórias dolorosas a cerca de amores que não deram certo ou que não corresponderam aquelas expectativas altas criadas por elas mesmas. Expectativas, muitas vezes levam ao sofrimento futuro. Ao final de cada história de amor, o que realmente resta são as lembranças, aquelas que por mais que você tente deletar da sua memória, continuaram lá, intactas. A não ser que você sofra de amnésia, que eu sinceramente acredito não ser o seu caso. O “X” da questão é, como conviver em paz com essas lembranças?

Se diante de tudo que viveu você é capaz de enxergar os principais motivos que levaram seu relacionamento a ruina, parabéns, podemos dizer que está no caminho certo. Meu caro/minha cara, você pode ter errado e colaborado para o fim, mas não fez isso sozinho. Seu parceiro tem uma parcela de culpa. Então não culpar-se pode realmente ser um dos primeiros e mais importantes passos para a caminhada da superação.

O segundo passo é chamado de aceitação. Isso mesmo, aceitar que não há mais volta. Que em algum momento tudo foi realmente bom, mas passou. Como o seu sofrimento também irá passar. Lembre-se, você é o único responsável pela sua felicidade.

E para finalizar, dou-lhes a terceira e ultima dica: Ame-se acima de qualquer pessoa. O amor próprio nos torna mais fortes diante de situações difíceis, ele é capaz de nos impulsionar para frente na busca de novas tentativas e sempre trará aquilo que verdadeiramente completara nossa felicidade.

Eu sou Lady Scandalous e vou ensinar a vocês um pouquinho sobre relacionamentos.

Compartilhe