Há alguns dias vivo imersa em uma reflexão a cerca dos relacionamentos, a busca implacável pela pessoa certa. Fico me perguntando quando criamos essa ideia de que para sermos felizes no amor precisamos achar o par perfeito e que nossa vida precisa ser digna de um conto de fadas. Quem em sã consciência plantaria essa sementinha do mal (e é realmente do mal por nos fazer acreditar em uma bobagem dessas) em nossas cabeças?

Observando inúmeros casais perfeitamente imperfeitos aprendi que para ser feliz no amor é necessário muito menos do que aquilo que estamos acostumados a ver em filmes românticos, que a realidade é diferente sim, mas de um jeito bom e que ninguém nasce para suprir as expectativas criadas pelo outro. Para ter um relacionamento feliz é necessário acima de tudo ser feliz consigo mesmo.

A vida não é e nunca será como em um comercial de margarina, até porque aquele tipo de propaganda tem o mero intuito de vender um produto. E não podemos vender nossos corações ou comprar a felicidade. Ser feliz e completo é algo que precisa vir de dentro de cada um nós e que antes de pensar que o outro tem por obrigação nos fazer felizes, temos que entender que nós mesmos somos responsáveis por nossa felicidade e o jeito que vamos levar nossos relacionamentos.

E o que realmente quero dizer com tudo isso é: somos todos imperfeitos na busca daqueles que aceitem nossas imperfeições. Afinal ninguém é verdadeiramente perfeito. Então parem de procurar a pessoa certa, porque ela não existe. E se o “errado” te fizer feliz. Aceite esse erro.