≡  

Posts de: maio de 2016

Oi meus amores, tudo bem com vocês?

Voltei com mais um post de decoração e dessa vez quem domina o pedaço são os pisca-piscas. Quem nunca achou que aquelas luzinhas dão um ar mais mágico a tudo, que atire a primeira pedra.

Pois eu, que não sou essa pessoa que atirou a pedra, vim mostrar para vocês como é cool tirar o pisca-pisca do fundo do armário e usá-lo na decoração do seu quarto! Ah, você não precisa necessariamente usar só no quarto, mas como foi o que eu fiz, decidi falar só do quarto. Antes de começar eu queria adiantar que não vou ensinar a fazer os “acessórios” das luzinhas por que para isso eu teria que gravar vídeo, e no momento estou tendo vários problemas com o editor, mas enfim.

No meu caso, eu fiz a ‘roupinha’ do pisca-pisca com linhas de crochê de cores diferentes e, depois de pronto, pendurei encima da minha cortina. Mas, pode coloca-lo na parede do quarto, sob uma estante... onde você quiser! E isso é o mais legal de tudo. Ah, você pode fazer o seu com florezinhas, forminhas de brigadeiro, copinho de café... são infinitas as possibilidades. Escolha aquele que mais lhe agrada e mãos à obra.

 

Categorias: Decoração Tags:

Compartilhe

Olá gente!

Esse é o meu primeiro artigo nessa coluna haha e hoje quero compartilhar uma das séries que estou assistindo atualmente na Netflix e que eu particularmente adoro. Para quem não curte tramas adolescentes, Orange is the new black é uma boa pedida, apesar de ter um conteúdo  um pouco pesado para menores de 16 anos.Orange-is-the-new-Black

Orange conta a história de uma de uma garota/mulher privilegiada de Nova York que acaba na prisão por um crime cometido a anos atrás. Piper Chapman vai passar por poucas e boas até conseguir se adaptar a sua nova vida de presidiária, vai encontrar um velho amor do passado que a levou para a cadeia e fazer novos “amigos”.

A série atualmente disponível na Netflix, como mencionei acima (creio que achem em alguns sites grátis para ver séries) conta atualmente com três temporadas, tendo a quarta lançada agora no mês de junho.

Bem, essa é a minha dica de hoje, logo logo estarei de volta com mais das minhas séries e filmes favoritos, espero que gostem e se gostaram deixem aqui nos comentários. E se vocês, assim como eu, são viciados em séries, por favor me deem dicas do que ver haha.

Beijocas <3.

 

Ah, já seguiu A Tirania nas redes sociais?

Instagram: @atirania_invencivel

Snapchat: tirania_3

Fanpage: A tirania invencível ( https://www.facebook.com/A-tirania-invenc%C3%ADvel-584099485088112/?ref=settings ).

Compartilhe

Oi meus amores, tudo bem com vocês?

Hoje minha dica de beleza é para amenizar (ou retirar completamente) uma coisa que ninguém gosta: cravos. Fala sério, tem coisa mais chata?! Bem, para fazermos a nossa misturinha, precisaremos de:

- Meia colher de bicarbonato de sódio; na receita que eu fiz, pedia meia colher, mas quando eu adicionei os outros ingredientes, o que era para ser uma pastinha ficou... liquido, eu acho. Então, minha dica é que você use bicarbonato para encorpar a mistura, acrescentar um pouco além da medida ajudará na consistência da nossa máscara.

- Uma colher de vinagre; essa eu realmente usei apenas uma.

- Uma medida de creme dental; sabe quando o seu creme dental está no finzinho e você o espreme? Quase sempre não sai quase nada dali. E quando sai, é sempre só uma “bolinha” na medida da passagem do tubo. E é aquilo que você vai usar.

Pronto, agora basta você juntar os ingredientes (não tem ordem certa para isso) e mexer bem. O ideal antes de usar a máscara, é dilatar os poros da região em que ela vai ser utilizada (nesse caso, nariz). Umedeça uma lã de algodão com água quente e coloque-a sobre o nariz por mais ou menos 5 minutos. Depois é só tirar e ver a mágica.

 

Ah, já seguiu A Tirania nas redes sociais?

Instagram: @atirania_invencivel

Snapchat: tirania_3

Fanpage: A tirania invencível ( https://www.facebook.com/A-tirania-invenc%C3%ADvel-584099485088112/?ref=settings ).

Categorias: Beleza Tags:

Compartilhe

Olá meus pupilos!

Hoje quero abordar nesse artigo algo que é super comum nos tempos atuais e que eu mesma já vivi. Sabe aquele casal que é nítido que estão apaixonados, não se desgrudam e mesmo assim não se assumem como um casal de namorados? É o típico casal que não rotula relações, as causas disso não acontecer são bem variadas, e vou abordar algumas ao longo desse artigo.

Às vezes o grande vilão desse tipo de relacionamento é o medo, e vocês podem estar pensando: Medo de que? E a resposta para essa pergunta meio que complexa pode ser a mais simples possível, medo de terem uma conversa decisiva e de acabarem pressionando um ao outro, o que acaba por muitas vezes fazendo com esse casal não admita o que sente e vivam no escuro profundo dos relacionamentos, digamos assim.

Podemos abordar aqui uma velha e conhecida relação, a amizade colorida; aqueles amigos que não querem perder essa relação de amizade, mas que sentem vontade de ficar um com o outro. Muitas vezes são amigos há anos, se conhecem muito bem, conversam sobre tudo, menos sobre o fato de ficarem algumas vezes, por medo de deixar um clima chato a ponto de estragar a amizade.

Esse tipo de situação também pode ser vivida entre estranhos, que depois de um tempo não serão mais tão estranhos assim, é o caso daquelas pessoas que se conhecem de vista, não sabem nome um do outro ou sabem apenas o nome e telefone, começam a conversar, rola aquela “crushada” e acabam ficando, ficando, ficando e nunca passam disso. Uma das partes pode até querer algo mais, porém resolve que continuar daquele jeito é melhor que perder “tudo” que têm.

Ao final desse artigo, a mensagem que tenho a deixar para vocês é: O que importa é ser feliz!

Não permita que o medo estrague sua felicidade, não omita seus sentimentos, muito menos os reprima, ás vezes aquela conversa pode acabar solucionando tudo de modo mais simples do que pensava e se no final não deu certo, não se preocupe, sua hora vai chegar!

Beijos da Lady  :*

 

Você tem uma história de relacionamento sem rótulos? Mande-me um e-mail contando sua experiência, suas dúvidas e medos. Ficarei feliz em respondê-los.

Compartilhe

Recentemente uma moça foi estuprada por mais de trinta homens, se não me engano. Para mim, essa notícia foi tão chocante que eu não fiz questão de saber os detalhes. A cada mulher que é violentada, mutilada e agredida nesse mundo, é mais um caso para a minha lista de dores. Porque sim, eu sou mulher e sinto como se fosse comigo. Acho que não tem mulher que não sinta, não é mesmo?

É uma barbaridade que em pleno século XXI as mulheres não possam andar com batom vermelho, roupas curtas ou desacompanhadas. O que é isso? A garota estava com o próprio namorado e de repente acorda no meio de um bando de... é tão chocante que não tenho nem termo, nem palavras para descrever o que é um ser desse. E o pior de tudo é que, pelas informações que andam soltando na internet, ele também estava envolvido.

Gente, isso é um absurdo! Não tem que prender ninguém não, tem que matar. Isso exige pena de morte. “Ah, mas isso viola o direito à vida. Está na Constituição Federal”. E o que fizeram com essa menina? Uma garota saudável, com uma vida inteira pela frente, agora tem que se submeter a acompanhamento psicológico para conseguir viver com a dor que, como ela mesma disse, é na alma.

Não dá mais para se calar, porque é a mesma coisa que compactuar com essa imundice.

Eu, uma Tirana, exijo o FIM DA CULTURA DO ESTUPRO!

Compartilhe

Há alguns meses atrás estava eu na frente de um computador, vendo um filme que minha irmã havia escolhido no netflix, o filme não era tão atual, e quando ouvi aquela voz grossa que sempre anuncia o nome dos filmes e a gente nunca sabe de quem é, falar: “Ele não está tão afim de você”. Senti que naquele momento se iniciaria uma jornada que mudaria meu jeito de ver todos os relacionamentos do mundo,  para sempre.

Não estou aqui para fazer uma resenha sobre o filme, este artigo não se trata disso. Mas sim, de compartilhar com vocês a minha maravilhosa conclusão, esse artigo é dedicado a todas aquelas garotas/mulheres que não se deram bem em seus relacionamentos ou que estão afim de alguém que não corresponde suas expectativas e sentimentos. Minhas queridas, o planeta é dividido entre mulheres que são “a regra” e “a exceção”.

Se você conhece um homem aparentemente legal em um aplicativo de relacionamentos como o tinder, ele é mais velho, bem sucedido, mora sozinho e já teve uma quantidade considerável de ficadas sem compromissos e ele te trata da mesma forma que trata outras pessoas, fuja agora, você é a regra. Ser a regra consiste em ser igual a todas as outras pessoas do mundo que passam pela vida dele, a tradução é: Você não tem importância! Ele não quer nada mais que uma relação casual, não quer estar “preso” a alguém, e vai por mim, não vale a pena procurar justificativas.

Por outro lado, você pode conhecer um homem na sua sala de aula ou no trabalho, vocês marcam de sair, ele te trata bem, te respeita, conhece a sua família e nunca tentar forçar a barra, a conversa está fluindo naturalmente. Aposto quase todas as fichas de que é a exceção, porque aquele cara pode realmente querer algo sério com você e ele vai demonstrar isso. Vai querer que você veja a todo instante o quanto é especial na vida dele.

Não estou afirmando aqui que isso serve para todas as pessoas, até porque são pesquisas feitas pelo instituto cabeça de Geórgia Barreto hahaha, brincadeiras a parte, esse artigo foi escrito de acordo com minha vivencia e de pessoas próximas a mim, acreditem, muitas vezes paro para analisar casais na rua e vendo experiências de terceiros, posso afirmar que a teoria do filme mencionado acima, é pura verdade. E que essas coisas talvez aconteçam com você, ao menos uma vez na vida.

No final não importa a ocasião ou o lugar que você conheceu ou ainda vá conhecer aquele cara, o que realmente importa é como vai ser vista por ele desse momento em diante. É a relação que vão construir. Lembrem-se: “Amar a si mesmo é o começo de um romance para toda a vida”.

Compartilhe

"Depois de dois cappuccinos, um sorriso sedutor e um acordo inusitado, a história irresistível de Alan e Daniela começa. O primeiro encontro não foi dos melhores, nem o segundo na verdade. Mas, depois de muitas promessas e uma data final estipulada, Daniela resolve ajudá-lo em um plano maluco.

Alan é extrovertido, bonito e protetor. O que ele mais quer, é ter o orgulho de seu pai. Mas, no meio do acordo, ele acaba percebendo que tem outra coisa que ele quer ainda mais. Daniela é aquele tipo de garota que joga videogame e assiste a filmes românticos. Seu grande sonho é conseguir publicar os textos que escreve.

Com o passar do tempo, o que era apenas um acordo com dias contados, torna-se o início de uma amizade abrasadora. Você teria coragem de abandonar um objetivo que sempre acreditou, por algo totalmente novo e inesperado?

E se esse inesperado fizesse seu coração bater mais forte?

Eles terão cento e um dias, mas o final nem sempre precisa ser o fim."

13006455_763690037099979_6508314765513953146_n

A resenha de hoje é sobre o maravilhoso ‘101 dias com ele’. Infelizmente o livro ainda não está disponível de maneira física, mas logo, logo vai sair. Enfim, vamos ao trabalho.

Eu, Carolina Barreto, posso dizer que 101 dias com ele é uma comédia romântica. Não, não! Uma novela mexicana. Ah, como eu amo novelas mexicanas. Sempre cheias de dramas, idas e vindas no amor. Elas são sempre melhores que esperamos, e quando acabam, queremos uma segunda temporada, queremos saber como vai ser a vida do tio do primo do irmão da Maria, aquela personagem que nem apareceu tanto, mas que só porque era engraçada deixou um rombo no nosso coração quando se foi.

E foi exatamente assim com o 101. Eu amei a Dani, o Alan, a Monique, o Conrado... odiei o Jonas, a Dayse... mas todos, exatamente todos os personagens fizeram desse livro mais especial (menos o Jonas, não fui mesmo com a cara dele. Pena que a autora cortou a parte em que ele era esquartejado). E para concluir a resenha, só tenho a dizer mais uma coisa: eu amei o livro! Obrigada Paula, essa jornada foi interessante.

Ah, quem quiser ler, é só clicar na foto que vai ser automaticamente redirecionado para o livro 101 dias com ele, de Paula Oliveira.

 

 

Compartilhe

23
maio
2016

Assim que acabei de arrumar as malas, Maddie chamou um táxi e rumou de volta para a empresa. Ainda com tempo, tomei meu banho e comecei a me arrumar; separei um vestido branco com algumas listras pretas, um casaco preto e um par de sapatos de saltos altos Jimmy Choo. Um dos meus pares prediletos. Depois de me vestir, fiz uma maquiagem leve, apanhei minha bolça, minha única mala para aquela viagem e tranquei meu apartamento. Depois de checar todas as portas e janelas.

O caminho até o aeroporto internacional de Beverly Hills foi tranquilo, sem muito trânsito e consequentemente sem atrasos. Dispensei o motorista, apanhei minha mala e caminhei até a plataforma de Check-in, onde fui informada de que o jato particular da M. H. E. junto com o piloto, já estavam esperando apostos na pista de decolagem. Minha passagem foi liberada e eu finalmente rumei de encontro ao grande jato branco.

— Tudo pronto para o voo, senhorita McLaren — Ryan Keysle, o único cara em quem eu confiava cegamente, depois de Dylan, avisou, enfiando a cabeça dentro da cabine do avião.

— Tudo bem, Ryan, estou pronta.

O rapaz assentiu e saiu, fechando a porta da cabine.

Arrumei a meu vestido no corpo e me mexi na poltrona, pronta para uma longa viagem. Eu iria tirar o máximo de proveito dessa viagem idiota, já estava decidida. Se Dylan iria mesmo me obrigar a viajar para a minha terra natal, eu ia colocar o meu melhor disfarce à mostra, e ia fazer todos aqueles empresários babacas engolirem seus dentes e suas línguas antes de soltarem piadinhas sem graça a respeito de mim. Assim que o jato decolou, uma das aeromoças me trouxe um copo de água e eu logo tratei de engolir duas cápsulas de calmantes, adormecendo em seguida. O constante chacoalhar do avião, me fez despertar, deixando-me apavorada e em alerta. Eu simplesmente odiava turbulências. Davam-me náuseas, enjoos e eu sempre entrava em pânico.

Estamos passando por uma área turbulenta, favor apertar o cinto de segurança e se manter sentada, assim que possível, voltaremos a circular pela cabine conforme o necessário — a voz da aeromoça soou abafada pelos alto falantes espalhados aos quatro cantos da cabine consideravelmente minúscula, se comparado a um avião normal, onde em apenas um corredor, se espremem centenas de poltronas.

Fechei os olhos e tentei me acalmar, mas só consegui piorar as coisas, pois, assim que o avião chacoalhou mais uma vez, cravei as unhas na poltrona de couro bege. Meu cérebro não foi rápido o bastante para processar tudo por completo, mas em fração de segundos, nossa altitude caía consideravelmente, como se estivéssemos pousando, o que eu sabia que não era o caso.

E tudo o que senti em seguida, antes de apagar, foi dor.

 

A água fria e salgada do mar lavava todo o meu corpo, cada vez que mais uma onda vinha, eu sentia e ouvia o som gostoso da água se mexendo. Tentei rolar para o lado, mais a dor dilacerante na costela, me impediu de continuar. Eu estava estirada sob a areia molhada, sabia que estava. Ouvi passos rápidos e abafados, em seguida, alguém se abaixou perto de mim, tocando meus braços, pescoço e pernas, quase como se fizesse um check-up para ver se estava tudo bem.

— Eu tirar você daqui, vai ficar tudo bem... — a voz masculina sussurrou perto de meu ouvido.

E foi aí que eu consegui abrir meus olhos, dando de cara com o rosto magnífico de meu anjo da guarda. Contemplei seus traços bonitos, e levemente angelicais, finalmente parando em seus olhos azuis como a água salgada do mar. Alguma coisa dentro de mim se comprimiu, dando espaço para um sentimento que me preencheu de uma forma assustadora, tapando o vazio que ficara depois de sofrer tantas perdas irreparáveis. Passando seus braços pela curva da parte de trás de meus joelhos e pelas minhas costas, o rapaz me acomodou em seus braços e me tirou do chão. Caminhando á passos firmes, trilhamos um caminho para sei-lá-onde. Apaguei novamente.

 

 

Compartilhe

22
maio
2016

Oi meus amores, tudo bem com vocês?

Todos nós sabemos que o mundo está cada dia mais vaidoso, não é mesmo? A maquiagem não contente em conquistar e embelezar só os rostos femininos, vem fazendo a cabeça da homarada também. Dá para esconder aquelas espinha que tanto incomoda, dar uma cor aos lábios, deixar seus cílios visivelmente maiores e mais uma infinidade de opções. Tem para todos os gostos, todos os bolsos. Mas chega dessa propaganda, vamos falar sobre a revolucionária, maravilhosa, inovadora Tekpix! Calma que era só uma brincadeira.

Para você, cara amiga que esfrega demaquilante até na alma para tirar a máscara de cílios, saiba que não precisa mais disso. Segundo especialistas, shampoo de bebê pode remover facilmente qualquer máscara. Eu testei e aprovei. O melhor de tudo é que qualquer marca serve e custa baratinho. Agora não precisa mais correr o risco de perder todos os cílios com aquele esfregado para lá e para cá, não é mesmo minha gente? E pode usar todo dia sim, com tanto que, ao final do dia, remova toda a maquiagem corretamente.

Ah, não esqueçam de acompanhar as redes sociais da tirania:

Snapchat: tirania_3

Instagram: atirania_invencivel

 

 

Categorias: Beleza Tags: ,

Compartilhe

Eu não sabia o que iria encontrar naquele aplicativo até ver aquele homem de sorriso fácil, olhar leve. Não sabia que ia me apegar à alguém com apenas um mês de conversas e mais um de encontros.

Ao contrário do que muitos possam pensar, meu coração não era bobo, não mais. Estava fechado para balanço, em meio a tantas conversas e toques, sentia todo o gelo a minha volta se derreter, e algo dentro de mim dizia: é ele. E eu teimava em não entender. Não queria chegar a conclusão de que depois de muito tempo estava me apaixonando por alguém. O medo de não ser correspondida me apavorava como uma criancinha assustada, talvez sentisse o que estava por vir. Estávamos tão perto e tão longe. Sentia que o destino brincava de cabo de guerra conosco, e hoje vejo que não dá para ganhar do destino. Sil, eu não queria estragar tudo, estávamos com as cartas na mesa e eu via os dados rolando, eu estava com medo de perder esse jogo, talvez você tenha vencido, ou o mundo venceu por nós.  Não posso mais criar esperanças  de que tudo vai dar certo, não posso te fazer feliz como havia prometido, porque coisas estranhas estão sempre a nossa volta. Eu não queria sair do sua vida, mas como posso ficar? Porque fechou o portão que tanto bati? Talvez não houvesse um nós. Havia apenas uma mulher que é como um mar profundo e agitado e um homem com medo de mergulhar nele.

Categorias: Conselhos amorosos Tags:

Compartilhe